quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Como se preparam e agem os Florais de Bach

video

"Mestre Bach desenvolveu um meio simples para se atingir o Universo de Cura. Podemos imaginar que existem símbolos coletivos que, conforme a cultura, apresentam-se com uma roupa. Esse Universo tem sua própria linguagem e símbolos, que os terapeutas procuram para alcançá-lo e ajudarem os outros a alcançarem-no, para que cada um busque sua própria Cura. Mestre Bach percebeu 39 arquétipos de Cura que são 39 Portas diferentes para mobilizar a Cura, sentindo os 39 estados de sofrimento que correspondiam a padrões universais de reação. Cada sofrimento corresponderia a um Arquétipo ou a uma Porta e precisaria de uma Chave certa para abri-la. Os Florais de Bach oferecem as Chaves, mas só a própria pessoa pode transformar esse sofrimento em uma qualidade inerente dessa experiência. Cada pessoa pode abrir sua Porta e decidir se quer ou não, se aguenta ou não, fazer esse trabalho, porque ela tem livre arbítrio.
Cada Flor encontrada/escolhida por Dr. Bach tornou-se uma Chave para trabalhar um Processo de TRANSFORMAÇÃO. Ela abre uma porta do Universo de Cura para nós vislumbrarmos e entrarmos nele.
Por isso, não é bom usarmos muitos Florais, pois estaríamos dando muitas chaves na mão de uma pessoa e ambos poderíamos nos perder no processo.
A cada porta que se abre podem aparecer novos sintomas físicos ou emocionais. Por isso cada resposta será muito peculiar.
Somente certas flores da Natureza podem ser Chaves, pois elas tem a qualidade de cura em sua semente. Ele percebeu isso e balizou-as, para que, por meio disto, recebessem este papel consciente de Cura e trabalhasse com o homem na abertura dessas Portas.
É um trabalho de consciência individual e com o tempo vai se tornando coletivo.
Este é o verdadeiro trabalho de Amor Incondicional que sai da Essência de cada Ser. Cada uma dessas flores está trabalhando na grande obra doando Vida e Amor para a Humanidade".
Por Carmem Monari. Livro: Participando da Vida com os Florais de Bach. São Paulo: Roca, 2009.

Nenhum comentário:

Postar um comentário